20 de dez de 2007

Resultados da Conferência do Clima

O encontro realizado em Bali terminou com um resultado positivo, ou pelo menos uma definição para os próximos dois anos.
Foi estabelecido um Road Map ou mapa do caminho até 2009, com metas de emissão. Bali viveu dias tensos, mas a conferência terminou de forma inusitada, abrindo precedentes no que se refere a negociações internacionais.
Os presidentes da ONU, Ban Ki Moon e o da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono tiveram participação decisiva, ambos fizeram apelos para que os Estados Unidos aceitassem o que os outros países já haviam aceito.
Diante das intransigências dos Estados Unidos, o secretário geral da ONU, Yve de Boer chorou visivelmente preocupado com um iminente fracasso. Quem pontuou com franqueza os acontecimentos, foi o representante de Papua Nova Guiné, Kevin Conrad, apladido quando disse referindo-se aos Estados Unidos "Ou entram no consenso ou devem sair do caminho".
Paula Dobriansky, representante dos Estados Unidos na negociação provocou uma catarse nos presentes, quando por fim confirmou a concordância de seu país com Road Map.
O encontro em Bali resultou na inclusão de incentivos positivos e conservação dos estoques de carbono das florestas, possibilitando aos países em desenvolvimento contribuir de maneira mais significante para a redução das emissões dos gases de efeito estufa a partir da redução do desmatamento. O mapa do caminho, de Bali expressa que nos próximos dois anos serão discutidas novas metas e novos mecanismos para reduzir as emissões.

mais...


18 de dez de 2007

Sobreviver e Prosperar


Guia prático de jornalismo digital ganha versões em Português e Espanhol. O Centro Knigh para o jornalismo nas Américas da Universidade do Texas lançou o Jornalismo 2.0 - Sobreviver e Prosperar. Segundo o autor, Mark Briggs, a obra é um manual prático com alguns elementos teóricos de introdução ao jornalismo digital.
O livro traz a explicação das principais características da web 2.0, e como o jornalismo se aplica a elas. O uso de novas plataformas, como celulares e tocadores de MP3, também é detalhado.

O download gratuito do guia, em PDF, pode ser feito no site do Centro Knight.



Fonte: Comunique-se

3 de dez de 2007

Conferência sobre Mudança Climática em Bali

A 13ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC) foi inaugurada hoje na ilha indonésia de Bali, onde representantes de 190 países discutirão, durante duas semanas, para tentar alcançar um compromisso global que substitua o Protocolo de Kioto.

Espera-se que deste encontro saia o Mapa de Caminho de Bali, que fixará as bases da negociação e determinará a data limite para alcançar em 2009 um novo acordo para frear e enfrentar o aquecimento global.

Participam da conferência, a reunião meio ambiental mais importante neste século, mais de dez mil delegados, ativistas e jornalistas de todo o mundo, entre os quais dezenas de ministros de Meio Ambiente e de Finanças, além do prêmio Nobel da Paz, Al Gore, e do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

A ONU quer que se estabeleça uma data limite para a aprovação de um novo acordo sobre a mudança climática, que deveria estar finalizado em 2009, para que os países tivessem tempo de ratificá-lo antes de acabar a vigência de Kioto.



Fonte: Último Segundo

30 de nov de 2007

Cecília Meireles

Canção Mínima

No mistério do sem-fim
equilibra-se um planeta.

E, no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro;
no canteiro uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,

entre o planeta e o sem-fim,
a asa de uma borboleta




REINVENÇÃO



A vida só é possível
reinventada.

Anda o sol pelas campinas
e passeia a mão dourada
pela águas, pelas folhas...
Ah! Tudo bolhas
que vêm de fundas piscinas
de ilusionismo... -mais nada.

Mas a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reiventada.

Vem a lua, vem, retira
as algemas dos meus braços.
Projeto-me por espaços
cheios da tua Figura.
Tudos mentira! Mentira
da lua, na noite escura.

Não te encontro, não te alcanço...
Só - no tempo equilibrada,
desprendo-me do balanço
que além do tempo me leva.
Só - na treva,
fico: recebida e dada.

Porque a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.



NOITE

Tão perto!
Tão longe!
Por onde
é o deserto?
Às vezes,
responde,
de perto,
de longe.
Mas depois
se esconde.
Somos um
ou dois?
Às vezes,
nenhum.
E em seguida,
tantos.

A vida
transborda
por todos
os cantos.
Acorda
com modos
de puro
esplendor.
Procuro
meu rumo:
horizonte
escuro:
um muro
em redor.
Em treva
me sumo.
Para onde
me leva?
Pergunto a Deus se estou viva,
se estou sonhando ou acordada.
Lábios de Deus...
Sensitiva tocada.

29 de nov de 2007

Mario Quintana

Meu Quintana, os teus cantares
Não são, Quintana, cantares:
São, Quintana, quintanares.

Quinta-essência de cantares...
Insólitos, singulares...
Cantares? Não! Quintanares!

Quer livres, quer regulares,
Abrem sempre os teus cantares
Como flor de quintanares.

São cantigas sem esgares.
Onde as lágrimas são mares

De amor, os teus quintanares.

São feitos esses cantares
De um tudo-nada: ao falares,
Luzem estrelas luares.

São para dizer em bares
Como em mansões seculares
Quintana, os teus quintanares.

Sim, em bares, onde os pares
Se beijam sem que repares
Que são casais exemplares.

E quer no pudor dos lares.
Quer no horror dos lupanares.
Cheiram sempre os teus cantares

Ao ar dos melhores ares,
Pois são simples, invulgares.
Quintana, os teus quintanares.

Por isso peço não pares,
Quintana, nos teus cantares...
Perdão! digo quintanares.

Manuel Bandeira e Augusto Meyer





Poeminha do Contra

Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão...
Eu passarinho!

(Prosa e Verso, 1978)


"Amigos não consultem os relógios quando um dia me for de vossas vidas... Porque o tempo é uma invenção da morte: não o conhece a vida - a verdadeira - em que basta um momento de poesia para nos dar a eternidade inteira".

E, brincando com a morte: "A morte é a libertação total: a morte é quando a gente pode, afinal, estar deitado de sapatos".


Fere de leve a frase... E esquece... Nada
Convém que se repita...
Só em linguagem amorosa agrada
A mesma coisa cem mil vezes dita.



RECORDO AINDA

Recordo ainda... e nada mais me importa...
Aqueles dias de uma luz tão mansa
Que deixavam, sempre, de lembrança,
Algum brinquedo novo à minha porta...

Mas veio um vento de Desesperança
Soprando cinzas pela noite morta!
E eu pendurei na galharia torta
Todos os meus brinquedos de criança...

Estrada afora após segui... Mas, aí,
Embora idade e senso eu aparente
Não vos iludais o velho que aqui vai:

Eu quero os meus brinquedos novamente!
Sou um pobre menino... Acreditai!
Que envelheceu, um dia, de repente!...


28 de nov de 2007

Internet: Blog's e Webjornalismo

Megabytes, Gigabytes, hiperlink... Você sabe o que significam essas palavras?
Se você não sabe, nunca ouviu falar, você está por fora, desatualizado, está precisando de um Upgrade!

Um dos canais mais inteligentes de informação cresce a cada dia e alcança um número cada vez maior de adeptos. A internet revolucionou o jornalismo, a possibilidade de obter a informação direto da fonte, sem intermediários, torna-se cada dia mais forte. Conscientes do poder dessa ferramenta as grandes empresas de comunicação passaram por um processo de digitalização para encarar esse novo mercado. Jornais, revistas, emissoras de tv e rádio criaram suas interfaces na internet para não ficarem para trás no mundo virtual.

A internet já alcançou um quinto da população mundial e está presente no dia-a-dia de seus usuários. Hoje as pessoas namoram, casam, separam, estudam, trabalham, fazem compras e se informam pela rede. Essa nova tecnologia foi aceita e transformou o mundo em um curto espaço de tempo. A mudança alterou definitivamente o comportamento dos seres humanos. Faça os planos que quiser para sua vida pessoal e profissional, mas saiba que, de uma forma ou de outra, a Internet estará cada vez mais presente.

O jornalismo, como qualquer outra área da sociedade, também sofre os impactos do crescimento da internet e já mostra mudanças significativas. O fortalecimento dos blog's é uma delas. O jornalismo “tomou um fôlego” com a “invasão” dos blog's, um espaço de livre expressão que despertou o interesse de jornalistas e não jornalistas. As grandes mídias trataram de garantir sua fatia do bolo e “logaram” seus articulistas, cronistas, escritores, colaboradores. Os mais famosos e os menos famosos também.

Segundo a mestre em Tecnologias Digitais e professora de Jornalismo Online da UNIBH de Belo Horizonte, Lorena Tarcia, a facilidade de publicação no blog é certamente um atrativo. Ela afirma que a liberdade de expressão é uma característica da rede , não só dos blog's. No entanto os sites mais acessados ainda são os tradicionais. “A informalidade dos blogs é um ambiente democrático, mas corre o risco de cair no vazio, e é com isso que contam a mídia tradicional e jornalistas”.

Quanto ao futuro dos blog's jornalísticos, Lorena acredita não ser possível fazer muitas previsões, “a internet está em fase de experimentação das possibilidades da rede e os blog's são parte disso”. Uma mudança que está acontecendo é a incorporação da multimídia aos blog's. Em termos tecnológicos, os recursos de realidade virtual, formação de redes por afinidades e o seu aproveitamento depende sempre dos usuários, que costumam surpreender até mesmo as empresas que disponibilizam as ferramentas.

Os blog's têm cumprido importante papel na abertura de canais de interatividade entre o leitor/ internauta e os jornalistas. Para a professora Lorena Tarcia, a tendência é uma maior participação, que pode transformar o webjornalismo em um diálogo, mais do que nos discursos típicos das grandes mídias. Lorena questiona a tomada dos blog's pelos webjornais como ferramenta de publicação com as amarras de grandes empresas. Existem muitas opiniões, há quem diga que blog mesmo, legítimo, só existe fora do guarda-chuva de uma empresa jornalística”.
Para Lorena o blog funciona como um gerenciador de conteúdo, que dá independência aos jornalistas e a todos aqueles que têm acesso à tecnologia. A possibilidade de interatividade, resposta imediata do leitor e da formação de comunidades e webrings (redes de sociabilidade ambientadas nos weblog’s) também são fatores atrativos. As pessoas querem se expressar e a internet deu a elas a ferramenta ideal para colocarem a boca no mundo.

Na opinião de Lorena Tarcia, o melhor é explorar, navegar, surpreender-se com coisas boas e ruins, aprender a diferenciar. Ela indica um único site que considera a porta de entrada para a blogosfera: http://www.technorati.com/. “Basta digitar jornalismo, para iniciar a jornada entre as centenas de vozes blogjornalísticas existentes hoje na web em língua portuguesa”.

O jornalista, escritor e roteirista Ricardo Soares encara sua recente relação com os blog's, como um namoro gratificante e surpreendente. Ricardo já havia feito um blog para cobrar um ex- candidato a presidência por serviços prestados, logo depois ele resolveu criar outro blog com temas variados. “Resolvi não queimar boas velas com mau defunto”.

Desde agosto deste ano Ricardo expressa suas opiniões e debate com os internautas sobre comunicação, política, cinema, televisão e vários outros assuntos no seu blog http://todoprosa.blogspot.com . “Ainda é uma grande novidade pra mim. Navegar entre blog's e seus inúmeros links tem sido uma descoberta e tanto e isso me fez ficar mais tempo dentro da Internet do que antes”.

A interatividade aproximou os jornalistas/escritores dos seus leitores/internautas, essa relação se estreitou na rede, onde a comunicação é mais direta e passa por uma revolução difícil de ser percebida pelos que põem pouca atenção na internet. O jornalista acredita que será preciso um distanciamento histórico para que os usuários percebam que o século XXI e os recursos digitais provocaram uma mudança radical entre o emissor e o emissário da notícia.

Diante desta nova realidade em os blog's podem alcançar status de fonte de informações, um dos maiores jornais do Brasil fez acusações sobre a parcialidade e a falta de credibilidade nos blog's. Ricardo questiona a postura do jornal. “Não acredito em imparcialidade em jornalismo de nenhuma espécie, isso é uma falácia criada por teóricos. É justamente na diversidade de opiniões dos blog's que reside o seu maior encanto”.

Para Ricardo os leitores não estão interessados em grandes teses, a diversidade de opiniões é o que chama atenção, e dá IBOPE. Ele cita o pioneiro Ricardo Noblat pela falta de inovação de conteúdo, falta de tempero, de humor, de um diferencial. Ele acredita que o sucesso de alguns blog's está na ousadia. É um território com múltiplas possibilidades, com interação entre textos e imagens, links, a troca de opiniões com o leitor. Aponta os blog's de não jornalistas como os menos comprometidos com uma visão reducionista dos assuntos. “O jornalista de blog ainda faz blogagem olhando pra o próprio umbigo e para suas fontes. Por isso o que de melhor vejo nos blog's são justamente os não Jornalísticos que tem ousado mais, criado mais e se comportado mais como incendiários e não como bombeiros”.

O jornalista aponta infinitas perspectivas para comunicação na blogosfera, sem um compromisso formal com a grande mídia, o blogjornalista tem liberdade para se expressar e dar ao blog uma identidade com a sua cara, e cabe a ele decidir o que será ou não publicado, de acordo com suas convicções. Ricardo Soares acredita que o webjornalismo ainda procura os melhores caminhos para conviver com o impasse de ter ou não opinião. “Assis Chateaubriand que dizia que se jornalista queria ter opinião que comprasse um jornal só para si. Os blog's põe abaixo isso”.

27 de nov de 2007

pulga, formiga e piolho ou U.S.S., 17, morreu...

Carlos Luz

gente, como estrela, tem luz própria
deveria nascer iluminada e brilhar a vida toda
e não falo só daquela gente que já nasce
com quartinho desinfetado, azul ou rosa
repleto de bichinhos de pelúcia
falo de toda gente...

criança, como gente, tem vida
como bicho e como planta
pedras não têm vida
criança deveria ter infância
e não falo só da criança solidária
que doa o seu brinquedo velho
porque ganhou mais dez novinhos em folha
falo de toda criança...

pulga, formiga e piolho
nasceram gente e crianças
mas a rua os batizou como insetos
e insetos, tirando o vaga-lume,
não têm luz própria, só luz de gato
mas não têm sete vidas, só uma
e nem insetos são pedras...

amigos, como gente e insetos, convivem
inimigos não convivem
diz a rua que inimigo a gente mata
com qualquer coisa que se tenha a mão
até com pedra
alguns insetos são inimigos
ou a gente mata, ou matam a gente
na rua convivem gente, pedras e insetos...

pulga, formiga e piolho foram amigos
amigos inseparavelmente unidos
insetos, pedras e plantas não têm amigos
só gente tem esta capacidade
o que um fazia, os outros copiavam
o que um sentia, os outros queriam para si
amigos agem assim, amigo tem luz própria...

pulga foi o primeiro
a dar uma tragada
a pegar carona em rabeira de ônibus
a matar um gato a pedrada
a dormir na praça da marinha
a descolar uma grana em semáforo...

formiga foi o primeiro
a cheirar cola
a cheirar coca
a tomar pinga
a transar
a esfaquear gente...

piolho foi o primeiro
a dirigir um carro roubado
a conseguir um tresoitão
a conhecer um estabelecimento para
reeducação de menores transviados
a matar gente a tiro...

a vida é uma grande e maravilhosa aventura
pulga, formiga e piolho viviam juntos
não foram pedras, nem insetos, nem plantas
mas é difícil acreditar que foram gente
gente, como estrela, tem luz própria
deveria nascer iluminada e brilhar a vida toda...

pulga, formiga e piolho estão separados
formiga puxa cana no presídio estadual
do paradeiro de pulga ninguém sabe
piolho já não existe mais
a mãe do piolho o batizou como Ueslley
fez questão dos dois eles e do ípsilon do final
nome estrangeiro para se dar bem na vida
o esse esse era do Silva e Santos
sobrenome de pai e mãe, como na realeza...

Ueslley virou piolho
assim como Welington e Roberto Carlos
viraram pulga e formiga
de estrela, Ueslley só teve um dia
aquele em que suas iniciais saíram no jornal:
U.S.S., 17, foi morto...

Poesia premiada no Concurso de Contos e Poesias Cataratas, edição 2007

Curso da Folha de São Paulo

O Programa de Treinamento de Jornalismo diário da Folha está na sua 46a. edição. Até o dia 15 de dezembro recebe inscrições de jovens jornalistas de todo o Brasil.
Os interessados podem se inscrever no site do jornal, serão selecionados 200 para um teste sobre conhecimentos gerais, dos quais, 40 passam por uma semana de palestras e entrevistas, e finalmente os 10 melhores participam do treinamento que deve ter início no segundo semestre de 2008.
No curso serão desenvolvidos exercícios de redação e reportagem, como utilizar o manual da folha e os preceitos da linha editorial do jornal. As matérias produzidas durante os três meses de treinamento serão publicadas num caderno especial da Folha.

Fonte: Comunique-se

26 de nov de 2007

Centro de Saberes e Cuidados Sociambientais da Bacia do Prata lança Processo Formativo de Educação Socioambiental

O Processo teve início durante o IV Encontro Cultivando Água Boa, da Itaipu Binacional, nos dias 21, 22 e 23 de novembro, no Centro de Convenções de Foz do Iguaçu, com 50 gestores, tutores e comunicadores dos cinco países da Bacia do Prata (Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai).

O Lançamento contou com a presença de aproximadamente 3 mil pessoas, além de participações ilustres em palestras e debates sobre questões ambientais. Entre elas, Leonardo Boff, teólogo, escritor e ativista ambiental; Paulo Nobre, do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE); Letícia Sabatella, atriz e ambientalista; Enrique Leff, coordenador da Rede de Educação Ambiental do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e os diretores gerais da Itaipu Binacional, Jorge Samek e Victor Bernal Garay.

O Centro de Saberes e Cuidados Socioambientais da Bacia do Prata foi estabelecido pelo Acordo de Cooperação Técnica, Científica e de Cooperação, assinado em novembro de 2006, em Foz do Iguaçu, pela Itaipu Binacional, pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente/PNUMA e pela Fundação Parque Tecnológico Itaipu/FPTI, em presença do Secretário Geral do Comitê Intergovernamental Coordenador dos Países da Bacia do Prata/CIC e tem como objetivo trabalhar as questões socioambientais nos cinco países que compõem o sistema da Bacia do Prata.

Um Memorando de Entendimentos foi assinado em setembro de 2007, em Assunção, por Ministros e representantes dos Ministérios de Meio Ambiente e de Educação, pela Sociedade Civil dos países, pelo PNUMA, pela Itaipu Binacional e pela FPTI.

Os principais eixos de reflexão do Centro de Saberes são:

A água como tema integrador;
A Bacia do Prata como território operacional;
O pensamento ambiental como marco conceitual da ação;
A educação ambiental como mobilizador social e
A construção coletiva de conhecimentos, ações e organização.

Em 2008 pretende-se completar a formação do CAP II (Círculos de Aprendizagem Permanente) e iniciar o CAP III, com 150 participantes dos cinco países. O processo de educação socioambiental terminará em 2009, com a formação do CAP IV, com 900 educadores socioambientais em cada país do Prata, totalizando 4.500 educadores socioambientais formados.

9 de nov de 2007

Brasil Socioambiental


O "Almanaque Brasil Socioambiental 2008" com ensaios fotográficos, mapas, curiosidades e textos interpretativos sobre assuntos ambientais foi lançado essa semana simultaneamente em 6 capitais brasileiras, nas cidades de Porto Alegre, São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belém e Manau, a obra foi editada pela jornalista Maura Campanili, com mais de 120 colaboradores, apresenta um panorama atualizado dos biomas brasileiros – Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pantanal, Pampa e Zona Costeira. A obra traz capítulos especiais sobre Diversidade Socioambiental, Florestas, Cidades, Água, Terras, Recursos Energéticos e Minerais e Modelos de Desenvolvimento.

O Almanaque foi idealizado, e é publicado desde 2005 pelo Instituto Socioambiental (ISA). Além da colaboração de jornalistas, a obra traz nos seus 11 capítulos as considerações de ativisitas e especialistas em diversos segmentos. Foram impressos 25 mil exemplares, 10 mil destinados para escolas públicas, bibliotecas, entidades e orgãos públicos de todo o país.

São abordadas questões como aquecimento global, devastação de florestas e os efeitos do homem no território brasileiro, mostra ainda, o trabalho desenvolvido através de campanhas em prol das causas ambientais. Numa linguagem simples, mas com conteúdo consistente, o Almanaque dá oportunidade ao leitor de conhecer e aprofundar o contato com essas questões, para que possam interagir e se integrar a ações para preservação dos biomas e melhorar a qualidade de vida.

Almanaque Brasil Socioambiental
Editora do Instituto Socioambiental
Preço: R$ 38,00
554 páginas

29 de out de 2007

Debates virtuais gratuitos sobre jornalismo

O instituo Pensarte realiza a partir do 31 de outubro uma série de debates gratuitos sobre a prática do jornalismo cultural. Os temas serão debatidos com profissionais como Maria Benites, coordenadora do programa de Doutorado em Educação na Universidade de Siegen, na Alemanha, Fred Zaro Quatro, compositor e vocalista da banda Mundo Livre S/A, entre outros. Os internautas interessados podem acessar o site www.culturaemercado.com.br

fonte:
http://www.comunique-se.com.br/index.asp?p=Conteudo/NewsShow.asp&p2=idnot%3D40034%26Editoria%3D238%26Op2%3D1%26Op3%3D0%26pid%3D154201509225%26fnt%3Dfntnl

24 de out de 2007

Pauta: O democrático Mundo dos Blogs

Uma avalance de blogs surgiram nos últimos anos, o que começou como um diário pessoal, tornou-se uma importante ferramenta jornalística. O blog é considerado um meio de comunicação democrático, a blogosfera está aumentando e ganhando cada vez mais adeptos. A era da internet, dos blogs, do webjornalismo interativo e dinâmico está acontecendo aceleradamente, o que nos leva a pensar no futuro, na adaptação dos meios, profissionais e da sociedade.

18 de out de 2007

Aquecimento Global: Um desafio para mídia






Não é novidade pra ninguém que o comportamento irresponsável dos seres humanos está acelerando a destruição do planeta. Deixando de lado os exageros disparados pela mídia, uma pequena parcela de jornalistas encontrou uma maneira de questionar, entender e (tentar!) modificar os pensamentos da maioria da humanidade, que está pouco ligando para temas como mudanças climáticas, desmatamentos e extinção de espécies.


O II Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental reuniu em Porto Alegre de 10 a 12 de outubro, representantes dessa pequena fração de homens e mulheres que compreendem a urgência dessa questão. O desafio é fazer com que a população mundial se una para salvar o planeta! Eu sei... Parece discurso de ativista do GreenPeace... E eles é que estão com a razão! Há anos lutam para manter o equilibrio com a natureza, mas infelizmente uma batalha que na maioria das vezes é vencida pela ganância, violência, interesses políticos e financeiros.


O encontro na capital gaúcha reuniu jornalistas conhecidos pela defesa das causas ambientais como André Trigueiro da Globo News e Wilson da Costa Bueno, que recentemente lançou um livro sobre jornalismo ambiental. Também participaram representantes do GreenPeace, SOS Mata Atlântica e várias outras ONGs comprometidas com preservação da riqueza natural. Nessa segunda edição o Congresso, que é organizado por uma rede de jornalistas/ambientalistas de todo o Brasil, foi discutida a missão da mídia na divulgação, investigação e denuncia das causas do aquecimento global e suas conseqüências.

O que há 30 anos não passava de projeções, hoje é cotidiano para a população mundial, como por exemplo, "o Brasil na rota dos ciclones" essa é uma, das muitas transformações causadas pela ação do homem, que vive na mais total e completa alienação, como se o planeta fosse sua propriedade, onde se pode usufruir dos recursos sem qualquer cuidado ou preocupação.

A mídia como um todo estimula o consumismo desenfreado, o comportamento egoísta com fins lucrativos, sem se preocupar com o amanhã. O Jornalismo Ambiental debatido no encontro é bem mais amplo do que se imagina, e trabalha diretamente com as crises globais e qualidade de vida, com o compromisso de alertar o público. O famoso LEAD tem nas causas o seu foco mais importante, e deve apontar as vulnerabilidades, investigar e desenhar soluções para minimizar os danos e efeitos negativos que o homem traz a natureza. O papel da mídia também é ensinar a sociedade a consumir de forma racional, a preocupar-se com o mundo além do seu quintal, a adotar um novo pensamento e estilo de vida que contemple a harmonia entre homem e natureza.

O quase presidente dos Estados Unidos All Gore ganhou o prêmio Nobel da Paz pelos serviços prestados a humanidade com o documentário "uma verdade inconveniente" uma tremenda massagem no ego dele. Mas veja bem, o documentário tem seus méritos, embora seja norte americano (sem xenofobismo!). Não é uma tarefa fácil o que temos pela frente, não só comunicadores, mas toda a sociedade que precisa encarar o mundo sob um olhar diferente de atores sociais em busca do entendimento de que o bem estar de todos e o futuro do planeta depende de cada um de nós.

O II Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental serviu para aprofundar ainda mais estas questões e fazer um balanço das condições do Brasil no que se refere ao meio ambiente, ficou claro que ainda precisamos avançar em políticas de preservação e conscientização. E também na criação de mecanismos sistêmicos de proteção. A próxima edição do evento acontece em Cuiabá, Mato Grosso em 2009. Até lá jornalistas, ambientalistas e acadêmicos correm contra o tempo para amenizar os efeitos irreversíveis causados pelo homem.

8 de out de 2007

" Muitos dirão que sou aventureiro, e sou mesmo, só que de um tipo diferente, daqueles que entregam a própria pele para demonstrar suas verdades."


As verdades de Che foram postas à prova pela revista mais direitista do país, a Veja, depois de 40 anos da morte Guevara “fatos novos” surgem e por coincidência caem direto na redação da Veja. O que mais me surpreende é que até hoje ninguém tenha aberto a boca para dizer isso antes!

Ernesto Che Guevara lutou pelo socialismo percorrendo toda a América Latina, combateu injustiças onde colocou seus pés.

Demonstrou ao longo da sua trajetória desapego a cargos e privilégios aos quais, os protegidos da Veja não dispensam. As fontes “fidedignas” usadas para matéria, que mereceu a capa, foram exilados cubanos (Miami) que são conhecidos como “gusanos” traduzindo para o bom português: vermes, que cá entre nós, não são exemplos de imparcialidade, outra figura que apareceu como relator da “fraude Che” foi Felix Rodrigues, cubano e agente da CIA (cúmplice do assassinato de Che).

O romantismo abnegado continua inspirando jovens no mundo inteiro, embora seus métodos de guerrilha fossem equivocados, sua luta foi autentica.

Na ânsia de alcançar boas cifras de vendagem e satisfação de seus patrocinadores, a revista semanal de informação demonstrou uma preocupação excessiva em citar inúmeras fontes, a maioria inimigos declarados dos ideais defendidos por Che Guevara.
A matéria te
nta emplacar a idéia de que Che era sedento por sangue, que só pensava em matar e menosprezava o ideal socialista em nome da morte. Mas quem conhece a história sabe que Guevara era antes de tudo um humanista, disposto a dar a própria vida em nome de seus ideais e por um mundo mais justo para todos.

Na minha opinião essa matéria não passa de lixo jornalístico, uma jogada para polemizar/vender... assinada pelos jornalistas Diogo Schelp e Duda Teixeira, aproveitando a data (8 de outubro 1967 – quando Che foi assassinado na Bolívia).

Não estou aqui para convencer ninguém, mas tenho uma pulguinha não para de coçar na minha orelha...

Por que a Veja e a turminha do Roberto Civita não traz a tona os escândalos do governo FHC (Banco Marka)... e os Caciques do PSDB?


27 de set de 2007

PAUTA: Dia da Consciência Negra

Vinte de novembro é o Dia Nacional da Consciência Negra. A data - transformada em Dia da Consciência Negra pelo Movimento Negro Unificado em 1978 - não foi escolhida ao acaso, e sim como homenagem a Zumbi, líder máximo do Quilombo de Palmares e símbolo da resistência negra, assassinado há 311 anos, em 20 de novembro de 1695. Vamos falar com um professor de história para explicar a importância do líder Zumbi para o povo negro. O Quilombo dos Palmares foi fundado no ano de 1597, por cerca de 40 escravos foragidos de um engenho situado em terras pernambucanas. Em pouco tempo, a organização dos fundadores fez com que o quilombo se tornasse uma verdadeira cidade. Os negros que escapavam da lida e dos ferros não pensavam duas vezes: o destino era o tal quilombo cheio de palmeiras. Podemos ir até uma livraria ou biblioteca para pegar livros com ilustrações sobre o tema. Alguns anos após a sua fundação o Quilombo dos Palmares foi invadido por uma expedição bandeirante. Muitos habitantes, inclusive crianças, foram degolados. Um recém-nascido foi levado pelos invasores e entregue como presente a Antônio Melo, um padre da vila de Recife. O menino, batizado pelo padre com o nome de Francisco, foi criado e educado pelo religioso, que lhe ensinou a ler e escrever, além de lhe dar noções de latim, e o iniciar no estudo da Bíblia. Aos 12 anos o menino era coroinha. Entretanto, a população local não aprovava a atitude do pároco, que criava o negrinho como filho, e não como servo. Apesar do carinho que sentia pelo seu pai adotivo, Francisco não se conformava em ser tratado de forma diferente por causa de sua cor. E sofria muito vendo seus irmãos de raça sendo humilhados e mortos nos engenhos e praças públicas. Por isso, quando completou 15 anos, o franzino Francisco fugiu e foi em busca do seu lugar de origem, o Quilombo dos Palmares. Após caminhar cerca de 132 quilômetros, o garoto chegou à Serra da Barriga. Como era de costume nos quilombos, recebeu uma família e um novo nome. Agora, Francisco era Zumbi. Com os conhecimentos repassados pelo padre, Zumbi logo superou seus irmãos em inteligência e coragem. Aos 17 anos tornou-se general de armas do quilombo, uma espécie de ministro de guerra nos dias de hoje. Com a queda do rei Ganga Zumba, morto após acreditar num pacto de paz com os senhores de engenho, Zumbi assumiu o posto de rei e levou a luta pela liberdade até o final de seus dias. Com o extermínio do Quilombo dos Palmares pela expedição comandada pelo bandeirante Domingos Jorge Velho, em 1694, Zumbi fugiu junto a outros sobreviventes do massacre para a Serra de Dois Irmãos, então terra de Pernambuco. Contudo, em 20 de novembro de 1695 Zumbi foi traído por um de seus principais comandantes, Antônio Soares, que trocou sua liberdade pela revelação do esconderijo. Zumbi foi então torturado e capturado. Jorge Velho matou o rei Zumbi e o decapitou, levando sua cabeça até a praça do Carmo, na cidade de Recife, onde ficou exposta por anos seguidos até sua completa decomposição. “Deus da Guerra”, “Fantasma Imortal” ou “Morto Vivo”. Seja qual for a tradução correta do nome Zumbi, o seu significado para a história do Brasil e para o movimento negro é praticamente unânime: Zumbi dos Palmares é o maior ícone da resistência negra ao escravismo e de sua luta por liberdade. Os anos foram passando, mas o sonho de Zumbi permanece e sua história é contada com orgulho pelos habitantes da região onde o negro-rei pregou a liberdade. Podemos mostrar imagens do filme Quilombo.
Ações:
A data é a oportunidade de discutir a questão racial, esta data é um ponto de convergência para manifestações e reflexões sobre suas formas de luta e atuação por uma sociedade que saiba respeitar, contemplar e congregar as diferenças. Podemos tomar como exemplo iniciativas como a adoção - em meio a muitas discussões ainda em vigência - das Ações Afirmativas - cotas paras minorias que já estão em vigor em universidades e são aplicadas em concursos públicos. Podemos fazer um levantamento de quantos negros estão freqüentando universidades no Paraná e no Brasil. Outro ponto é a obrigatoriedade do ensino da história africana e afrobrasileira nas escolas de ensino fundamental e médio baseado na lei 10.639. Podemos conversar com o sociólogo Afonso para saber se medidas como essa contribuem para amenizar a questão racial no Brasil.
Podemos mostrar como a constituição brasileira trata esse tema, qual a situação da população de jovens negros em Foz e que tipo de problemas enfrentam.
Posição dos negros no mercado de trabalho...
Enquete:
Como você avalia as políticas de igualdade racial do governo?
Conquistas:
Produtos específicos;
Leitura direcionada;
Cultura Negra:
A capoeira;
Black Power;
Samba;
Hip hop; na casa do teatro tem um projeto com crianças carentes que aprendem a fazer hip hop.
Vale ainda realizar uma visita a uma comunidade Quilombola (São Miguel do Iguaçu)
Pesquisar a legislação recente para comunidades quilombolas e descendentes de africanos.
Candomblé ou Umbanda; ir até um centro para mostrar a herança religiosa do povo africano.




24 de set de 2007


Mais de 18 emissoras de tv aberta, 26 de rádio e 50 anos de história. A RBS TV é uma referência nacional de empresa multimídia, participa da vida de mais 10 milhões de gaúchos e catarinenses. Para comemorar meio século de história organizou a exposição NO AR 50 anos de vida. São 5 décadas contadas através de milhares de fotos, páginas de jornais, centenas de horas com imagens e vidéos históricos.

A direção artística é assinada por Marcello Dantas, do Museu de Língua Portuguesa de São Paulo. São 4,3 mil metros quadrados ocupados pela exposição, que começou a ser projetada em agosto de 2006, um trabalho minuscioso de regaste de materiais, são mais de 70 pessoas trabalhando na produção e execução da Mostra.

A exposição é quase toda interativa, dando aos visitantes a oportunidade de escolher para qual década viajar, através de jornais, rádio e tv. Tem também um caleidoscópio com espelhos e televisores sintonizados nos mais variados programas de tv. Um jogo onde objetivo é identificar de qual parte do estado gaúcho são as figuras que aparecem na imensa tela.

A exposição tem uma sala dedicada ao silêncio, e outras tantas, como a da cronologia, onde pode-se ver os principais eventos de comunicação dos últimos 50 anos. A cada meia hora os visitantes são convidados a assistir um vídeo projetado na parede da Usina do Gasômetro por 16 projetores de última geração, o vídeo com aproximadamente 15 minutos traz uma síntese com todos os tipos de imagens desses 50 anos, que vai desde a guerra do Vietnã, clássicos de Inter e Grêmio, Pavarotti até o ilário vídeo do apresentador Lasier Martins levando um choque.

NO AR teve início no dia 31 de agosto e vai até 18 de novembro, das 9h às 21h, a entrada é gratuita.

Monumentos Invisíveis

"... cada pessoa tem em mente uma cidade feita exclusivamente de diferenças,

uma cidade sem figuras e sem forma,

preenchida pelas cidades particulares."

Italo Calvino em As cidades invisíveis


Costuma-se dizer que um lugar é o espaço que possui uma história, uma teia de relações e uma identidade dada, em um momento. Isso se dá, principalmente, pelos acontecimentos anteriores e atuais envolvendo o referido espaço. Mas, segundo muitos pesquisadores das Ciências Sociais, também existem espaços que não tem história, desprovidos de processos identitários próprios. Neles a teia de relações que se forma acaba tornando-os não lugares.
Os não lugares acabam se transformando em espaços alheios à cultura e aos costumes locais. Assim, é comum vermos cotidianamente um cenário, mas, em função de ele ter pouca ligação com o cotidiano de fato, acaba não sendo visto, não fazendo parte efetiva da paisagem sensível dos moradores, dos transeuntes e dos turistas. Esses últimos já são, por natureza, visitadores de não lugares locais. O estrangeiro vem ver o que o local não vê com os mesmos olhos ou não quer enxergar.
Foz do Iguaçu é conhecida pela sua beleza natural. É uma informação tão forte que até mesmo os moradores da cidade acabam não conseguindo ver as outras “atrações” que existem. A Igreja de São Francisco de Assis é uma delas. Situada no bairro Morumbi ela é considerada mais bela e mais imponente que a catedral do centro da cidade. Motivo de orgulho para os moradores, mesmo os que nem são católicos, a igreja é, para a maioria da cidade, um não lugar.
O olhar é um tipo de registro físico e espiritual. Não se pode dizer que as imagens da nossa vida são gravadas apenas no nosso intelecto. Talvez por esse motivo algumas pessoas passem todos os dias por verdadeiros monumentos e não dão muita importância.
Pois se a igreja de São Francisco de Assis no bairro Morumbi é pouco notada e quase não faz parte do cotidiano olhar da maioria dos habitantes de Foz do Iguaçu, o eu dizer dos monumentos menores, aqueles que estão distribuídos pelas ruas? A corujinha que está na avenida JK, próximo ao Terminal de ônibus (TTU) é outro exemplo.
É praticamente impossível não vê-la, mas registrá-la no olhar e bem mais difícil. O registro fica mais difícil porque não há nenhuma placa explicativa ou mesmo um vínculo com a sua natureza. Por que ela está naquele local? Homenageia quem?
Para uma cidade turística, Foz do Iguaçu carece de mais informação. Muitas vezes os visitantes trazem mais detalhes sobre os monumentos da cidade do que os próprios iguaçuenses.
O que acontece com a corujinha da JK pode ser notado até mesmo nas vias principais de Foz. Na avenida Brasil, que sofreu uma grande reforma recentemente, poucos sabem o significado das grandes bolas colocadas nas esquinas. Tampouco se dá atenção ao conjunto de bandeiras dos países que compõem o Mercosul quando a Brasil cruza avenida Jorge Schimmelpfeng. Ali não há nem mesmo uma explicação sobre quem foi Jorge Schimmelpfeng.
O turismo é uma das principais fontes de arrecadação do município de Foz do Iguaçu, senão a maior. Se os monumentos e valores sociais do local não são conhecidos pela própria comunidade e os serviços públicos não têm nenhuma política para diminuir esse problema, vai ficar cada vez mais difícil encontrar um morador que saiba explicar onde fica um local como a igreja de São Francisco de Assis.

Como a simbolização mais representativa da coruja é a sabedoria, talvez fosse o caso de mudá-la de local, deixando aquele marco da cidade mais próximo ao centro administrativo. Quem sabe a proximidade possa fazer com que as autoridades comecem a dar sábios passos para ampliar ou criar uma identidade iguaçuense e uma melhor divulgação dos monumentos e valores históricos desse município quase centenário.


Obra consultada:

Marcia Maria Cavalcanti, “O fetiche do consumo como agente de reprodução do não-lugar” IN: http://www.revistaturismo.com.br/artigos/nao-lugar.html (acessado em 15/9/07)

11 de set de 2007

Sítios Interessantes...

etcetera é uma revista eletrônica voltada para arte e cultura. Abre espaço para novos autores e aqueles que circulam fora do "eixo convencional" da mídia. Seu conteúdo é variado: cinema, música, teatro, artes visuais e etc! A revista tem colaboradores por toda parte, a linha editorial da publicação participativa que dá oportunidade de novos autores a cada edição. Etcetera é espaço para os apreciadores da contracultura. Na edição Jul/Ago a revista traz poesia, artes plásticas e crônicas tudo sobre uma ótica direnciada.

Comunique-se é um portal de comunicação. Oferece oficinas e cursos. Tem seis colunistas que falam sobre política, televisão, cinema, música, corrupção, violência e por aí vai. É possível acessar notícias sobre os últimos acontecimentos no Brasil e no mundo. Usuários cadastrados podem participar de um bate-papo, e acessar conteúdos especiais. Pode ainda, consultar uma lista com Assessorias de comunicação de todos os cantos do Brasil, banco de empregos, sites relacionados e agenda de eventos. O internauta pode colaborar enviando sugestões de pauta, artigos e notícias de bastidores. Ainda tem a opção: PAPO NA REDAÇÃO, onde assiste e conversa com profissionais de destaque no mercado jornalístico.

Casa dos Jornalistas é um blog organizado por Humberto Santos, jornalista de Cabo Verde, uma ilha próxima ao continente Africano, colonizada por Portugueses. Como o próprio criador do site diz... é um diretório, um espaço onde se pretende promover o debate sobre temas relacionados com os media e o jornalismo. Voltado para críticos, jornalistas e profissionais da área. O blog tem links com material sobre a história da mídia, lei de imprensa, e diversos outros onde se pode saber mais sobre os mecanismos da comunicação. Tem um diretório com os nomes de vários profissionais de comunicação, através dele é possível visitar os blogs de cada um.

PAUTA: No Ar

As intensas mudanças vivenciadas pela humanidade são influenciadas diretamente pelos meios de comunicação. Nos últimos 50 anos o desenvolvimento de novas tecnologias, comportamento e as transformações são acompanhadas de perto pela mídia. O grupo RBS, é uma empresa de comunicação multimídia que opera no sul do Brasil e é lider absoluta nos segmentos em que atua. Fundada em 1957 por Mauricio Sirostsky Sobrinho, a RBS tem em sua plataforma multimídia:
- 18 emissoras de televisão aberta
- 2 emissoras locais de televisão
- 8 jornais diários
- 26 emissoras de rádio
- 2 portais de internet
- Operação orientada para o agronegócio
- Editora
- Gravadora
- Empresa de logística
- Empresa de marketing para jovens
- Fundação de responsabilidade social
Além de atingir diariamente um público de milhões de pessoas a Rede RBS está presente em seis estados brasileiros com veículos de comunicação de massa no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, além de sucursais multimídia e escritórios comerciais no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal, o que a torna o maior grupo de comunicação multi-regional do Brasil.
Para comemorar seu sucesso junto aos gaúchos, e a sua expansão durante estes 50 anos, a RBS promove a exposição NO AR.
Uma viagem pela história da mídia.

24 de ago de 2007

A Capital do Tango

Buenos Aires é Tango. Onde se formou, onde se toca, onde se canta, onde se dança. O Tango é a manifestação cultural e popular, das mais relevantes da capital argentina e do país como um todo. É o selo da identidade, do sentir, da nostalgia dos portenhos.
As letras e sons refletem a paixão, a melancolia, a sensualidade, às vezes o drama, às vezes o pranto, a alegria, a emoção do que é, do que foi, do que podia ter sido, ou do que será.
O ritmo surgiu nos subúrbios da capital argentina, bem diferente dos tangos que ouvimos hoje. Naquela época, eram animados e dançantes. Uma curiosidade do gênero, é que quando nasceu, apenas homens podiam dançar, pois era considerada imoral a dança de homens e mulheres abraçados.
Carlos Gardel foi o grande divulgador do Tango no exterior. As melodias tocadas com flauta, violino, violão e, principalmente, o bandonion, ganharam dramaticidade e o que é considerado hoje, uma das características mais marcantes do tango: o ar nostálgico com histórias sobre os tropeços da vida e desenganos amorosos.
Na charmosa Buenos Aires é possível fazer uma viagem no tempo através da arquitetura de influência colonial. São diversos museus, teatros e bibliotecas, sem falar nas construções, prédios e monumentos que contam a história da cidade. A capital portenha ainda mostra seus encantos através da culinária, como a tradicional Parrilla que, acompanhada de um bom vinho, formam a combinação perfeita.
Um dos lugares mais interessantes da cidade é o bairro San Telmo localizado ao sul da Plaza de Mayo. É um canto da cidade cheio de história e personalidade. Com um rico estilo arquitetônico o bairro ressalta a arte, a boemia e os antiquários. São mais de 500 lojas que oferecem todos os tipos de objetos. Caminhar por ali é voltar no tempo. As estreitas calçadas de pedra, as lojas, as ruas de pedra e as antiguidades representam à magia do seu valor histórico.
Para conhecer a noite portenha nada melhor do que mergulhar em sua incessante e heterogênea vida noturna. Tudo pode ser uma boa desculpa para o divertimento, desde livrarias abertas noite adentro, até as numerosas Tanguerías ou casas de tango.
La Rosalia é uma delas. Estruturada em uma construção do inicio do século, onde funcionava uma carvoaria, ela encontra-se em um ambiente bucólico e bem decorado. É possível apreciar um bom vinho ao som do mais tradicional Tango argentino enquanto a Parrilla é preparada. Nas paredes, imagens dos grandes nomes do Tango como Enrique Santos Discepolo. Roberto Goyeneche e Aníbal Troilo, entre outros, completam a atmosfera. É claro não podem faltar os dançarinos no melhor estilo de Buenos Aires.
A segunda maior cidade da América Latina reserva muitas e descobertas surpreendentes. É considerada a Paris das Américas, tem um povo acolhedor e simpático. Buenos Aires está preparada para receber mais de 5 milhões de turistas e tem opções para todos os gostos.
O bairro de San Telmo e a tangueria La Rosalia são apenas algumas idéias de diversão e embevecimento. Os conhecidos pontos turísticos como a Praça de Maio, Puerto Madero, Caminito, juntam-se aos pequenos bares, as ruas famosas como a “calle Florida” e todo o conjunto arquitetônico da Capital Argentina.
Buenos Aires não é apenas tango, prédios históricos bem conservados, ela se reveste de alegria e se torna única nas Américas. Lá é possível ver um “passeador de cães” conduzindo até 20 “perritos” ou ser servido como o principal cliente em um dos elegantes bares e cafés.
A cidade possui excelente infra-estrutura noturna e muitas ofertas de programas diferenciados. E como o câmbio está favorável, Buenos Aires também é um ótimo destino para compras. Depois de tantas vantagens e aproveitamento para quem quiser visitá-la, nada melhor do que desejar: boa viagem!